GRUPO RODOXISTO

Blog

TOMATE É O FRUTO COM MAIOR VARIAÇÃO

Tomate é o fruto com maior variação

Tomate é o fruto com maior variação de preço entre abril e maio

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e o 5º Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeito (Prohort), realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), apontaram um aumento de 40% no preço do tomate entre os meses de abril e maio. O estudo da Conab foi divulgado no dia 18 de maio, e o da Dieese na terça-feira, 8 de junho. Variações também foram observadas em produtos como batata, cebola, cenoura e alface.

A causa apontada para o aumento do preço do tomate foi o fim da safra de verão do produto, o que diminuiu a quantidade comercializada nos mercados e, consequentemente, elevou o valor de mercado do fruto. Em junho o valor do fruto começou a cair. Mais lavouras começaram a ser colhidas e a alta temperatura registrada no fim de maio contribuiu para a colheita do produto. Com isso a variação média do tomate segue em a­lta.

Já a batata mantém-se em tendência de queda desde janeiro, com preço cada vez menor. Apesar disso, desde o mês passado (maio) há uma tendência de alta do produto por entrarmos no período de encerramento da safra de águas. Em São Paulo, o aumento registrado foi de mais de 50%.

Quanto à alface, cebola e cenoura, a demanda é o que vem determinando o preço dos produtos. A alface teve o preço em queda em abril e maio, a cebola varia de acordo com a região do país – queda do valor no sul e alta no norde e nordeste; a cenoura esteve em queda de janeiro a março e, em abril, o preço voltou a subir. Nas frutas, a banana, maçã e mamão estão em queda, enquanto a melancia segue em alta. Houve queda nas vendas da laranja, mas a exportação segue em alta.

Gostou da leitura sobre: Tomate é o fruto com maior variação de preço entre abril e maio?

Fique por dentro das notícias aqui no nosso Blog

Nos acompanhe nas nossas redes sociais Instagram Facebook.

 

Fonte: Revista Exame e O Documento

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp